Arquivo da tag: previdência privada

Come-cotas

Come cotas

Coloquei no post anterior que a Previdência Privada não possui come-cotas e que isso é uma vantagem em relação aos fundos que possuem a cobrança.

Nos fundos de investimentos você paga IR quando feito o resgate total ou parcial do valor aplicado, porém quando o fundo é de Renda Fixa ou Multimercado o IR é retido também no último dia útil de maio e novembro, mesmo sem o cotista ter solicitado resgate. Chamamos essa antecipação do IR de come-cotas.

Essa cobrança semestral de IR é feita através das cotas e é deduzida sempre equivalente a menor alíquota, no caso dos fundos de Longo Prazo 15% e Curto Prazo 20%.

Como existe a antecipação de IR nesses fundos de investimentos, no longo prazo ele fica em desvantagem se comparado com um produto de características próximas e que não possui come-cotas. O ganho sobre o ganho fica comprometido no caso dos fundos que possuem come-cotas.

Espero ter ajudado.

Até a próxima quinta.

Anúncios

Previdência Privada: Vantagens IR

vantagens IRComentei no post “Previdência Privada: Imposto de Renda”, que existe a tributação de IR (Imposto de renda) Regressiva Definitiva que começa na alíquota de 35% e chega à alíquota mínima de 10% e comentei também no post “Portabilidade Interna e Externa” que a Previdência Privada permite que você troque de plano mantendo alíquota de IR, diferente de outros produtos de investimentos.

Queria destacar melhor essas vantagens, se estamos falando de um investimento de longo prazo, esses detalhes são muito importantes, uma vez que a Previdência Privada permite ao longo dos anos que você movimente a sua aplicação sem cobrança de IR e melhor ainda sem mudar a alíquota de IR vigente.

Como muitas pessoas ficam em duvida com relação a fazer uma aplicação em um fundo de investimento tradicional ou em um plano de Previdência Privada, vou fazer uma comparação com relação ao IR.

Vamos comparar um plano de Previdência Privada RF (Renda Fixa) com um fundo de investimento tradicional RF de Longo Prazo:

O plano de Previdência Privada RF:

  • Chega à alíquota mínima de 10% (se escolhida à tributação Regressiva definitiva).
  • Permite fazer portabilidade sem cobrança de IR ou mudança de alíquota.
  • Não possui come-cotas (é recolhido IR de seis em seis meses, sempre no último dia útil dos meses de maio e de novembro, mesmo que o cotista não tenha pedido resgate).

O fundo de investimento tradicional RF de Longo Prazo:

  • Chega à alíquota mínima de 15%.
  • Não permite portabilidade do saldo de um fundo para outro sem fazer o resgate e pagar o IR.
  • Possui come- cotas (é recolhido IR de seis em seis meses, sempre no último dia útil dos meses de maio e de novembro, mesmo que o cotista não tenha pedido resgate).

Por isso destaco sempre o valor do planejamento, quanto melhor planejado for o destino dos seus recursos, melhor ele será empregado. Você vai diminuir as chances de errar na escolha dos seus investimentos.

No próximo post continuamos com a comparação e vou explicar melhor sobre o come cotas.

Até a próxima quinta.

Previdência Privada: Portabilidade interna e externa

Portabilidade

A Previdência Privada tem mais uma vantagem, a Portabilidade.

A Portabilidade nada mais é que você transferir os recursos de um fundo da Previdência para outro fundo sem ter que pagar Imposto de Renda. O recurso é trocado de fundo sem nenhum custo ou incidência de IR.

Existe a Portabilidade interna e a externa.

A portabilidade interna acontece quando é realizada a transferência dos recursos de um fundo de Previdência para outro fundo do mesmo Banco/Instituição. Por exemplo, tenho um fundo de previdência de Renda fixa e quero trocar para um fundo de previdência com Ações, nesse é feito a portabilidade interna.

A portabilidade externa é quando é realizada a troca de um fundo de previdência de um Banco para um fundo de previdência de outro Banco. Por exemplo, você possui uma Previdência no Banco Bradesco é quer trocar para um fundo de previdência do Banco Itaú, essa troca é chamada de portabilidade externa.

A portabilidade é uma ótima vantagem, em um fundo ou CDB/Compromissada tradicional se você está insatisfeito com o produto e quer trocar para outro produto é necessário fazer o resgate do valor, pagar IR e aplicar no outro produto iniciando na maior alíquota de IR. Já na Previdência você pode fazer a portabilidade interna ou externa e movimentar seus recursos sem fazer resgate, mantendo a data da aplicação inicial.

Como estamos falando de um investimento de longo prazo, é comum ao longo dos anos que se acumule uma quantia que lhe permita acessar produtos mais rentáveis na Previdência, e você pode ter acesso fazendo a portabilidade.

É necessário saber qual é carência do seu fundo de Previdência para portabilidade, essa informação é especifica de cada produto, é preciso consultar antes.

Se você já possui um plano de Previdência, verifique periodicamente se o valor que possui aplicado já lhe dá acesso a algum fundo com o mesmo grau de risco e com uma taxa de administração menor que o seu produto atual. Geralmente os Bancos não avisam seus clientes dessa possibilidade.

Espero ter ajudado.

Até a próxima quinta.

 

 

 

Previdência Privada: VGBL

VGBL

Para quem é indicado: O VGBL é indicado para quem declara o imposto de renda no modelo simplificado, quem é isento ou quem declara o imposto de renda completo e deseja aplicar mais que 12% da renda anual bruta em um plano de previdência.

Beneficio: Imposto de Renda incide sobre o rendimento.

Cobrança de IR: Você pode optar pela tributação Progressiva Compensável ou Regressiva Definitiva. No VGBL a tributação é cobrada no momento do resgate ou quando transformada em renda. A tributação incide apenas sobre o rendimento.

As contribuições no VGBL podem ser mensais, anuais ou esporádicas.

No VGBL você consegue fazer um planejamento de aposentadoria ou investimento de longo prazo.

Espero ter ajudado.

Previdência Privada: PGBL

PGBL

Quando você f contratar um plano de Previdência Privada você deverá escolher entre o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e o VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre). Para saber qual é o mais indicado para você, vou explicar um pouco sobre cada um, começando hoje pelo PGBL.

PGBL

Para quem é indicado: O PGBL é indicado para quem declara o imposto de renda completo e contribua com a Previdência Social.

Beneficio: Você pode abater da base de calculo do seu Imposto de Renda anual até 12% da renda tributável, conforme a legislação vigente. Logo, o percentual indicado para contribuir em um PGBL é de no máximo 12% da sua Renda Anual Bruta.

Exemplo: Uma pessoa que declara IR completo e que possui uma renda anual bruta de R$100.000,00, é indicado que contrate um PGBL de no máximo R$12.000,00 por ano (R$ 100.000,00 x 12%), desta forma essa pessoa vai declarar no Imposto de Renda apenas R$ 88.000,00 de renda anual. Em vez de pagar imposto sobre a base de R$ 100.000,00 essa pessoa vai pagar imposto sobre a base de R$ 88.000,00.

Para ter o beneficio é preciso informar na declaração de Imposto de Renda que contribuiu em um PGBL.

Cobrança de IR: Você pode optar pela tributação Progressiva Compensável ou Regressiva Definitiva. No PGBL a tributação é cobrada no momento do resgate ou quando transformada em renda. A tributação incide sobre o valor total (valor aplicado+ rendimento).

Se você contribuir acima do limite de 12% no PGBL, passa a não ser interessante, pois a tributação será cobrada sobre o valor total e você não obterá nenhum beneficio fiscal além dos 12%.

As contribuições no PGBL podem ser mensais, anuais ou esporádicas.

No PGBL você consegue fazer um planejamento de aposentadoria ou investimento de longo prazo e aproveita o beneficio fiscal deduzindo a sua base de calculo na declaração de Imposto de Renda Anual em até 12%.

Espero ter ajudado.

Até a próxima quinta!

Previdência Privada: Imposto de Renda

Ir PrevidenciaExistem duas opções de Imposto de Renda para a Previdência Privada. São elas:

Tributação progressiva compensável

Nessa tributação, independente do momento do resgate ou recebimento de renda  será cobrada a alíquota de 15% retida na fonte. Essa alíquota pode ser ajustada para mais ou para menos de acordo com o seu IRPF (Imposto de Renda Pessoa Fisica).

De acordo com o seu total de renda declarada, você saberá se além dos 15% já pago terá que pagar mais, não terá que pagar ou se vai restituir o que já pagou.

Tabela dedução do IR até 64 anos:

Base de cálculo Mensal em R$ Alíquota
Até 1.787,77
De 1.787,78 até 2.679,29 7,5%
De 2.679,30 até 3.572,43 15%
De 3.572,44 até 4.463,81                 22,5%
Acima de 4.463,82             27,5%

Tabela dedução do IR acima de 64 anos:

Base de cálculo Mensal em R$ Alíquota
Até 3.575,54
De 3.575,55 até 4.467,06 7,5%
De 4.467,07 até 5.360,20 15%
De 5.360,21 até 6.251,58                 22,5%
Acima de 6.251,59             27,5%

A compensação de imposto vai acontecer de acordo com a renda que você declarou no ano que você fez o resgate.

Exemplo dessa compensação: você tem 40 anos e o total da renda mês que você declara é de R$ 4.000,00, esse valor te enquadra na faixa de IR de 22,5%, logo, se você fez um resgate e já pagou 15% de IR retido na fonte, terá ainda que pagar a diferença, 7,5%.

Nota: O rendimento da previdência no ano que você fez o resgate ou transformou em renda, deverá ser contabilizado também como renda para efeito dessa dedução.

Tributação regressiva definitiva

Nessa tributação é levado em consideração apenas o tempo que o valor ficou aplicado e o IR é retido na fonte. Segue tabela:

Tempo da aplicação Alíquota
0 a 2 anos 35%
2 a 4 anos 30%
4 a 6 anos 25%
6 a 8 anos 20%
8 a 10 anos 15%
Acima de 10 anos 10%

Você opta pelo regime de tributação no ato da contratação. Escolher a tributação do seu plano de previdência é uma tarefa muito importante. Para efeito de IR, enquanto a tributação compensável progressiva leva em consideração a sua renda a tributação definitiva regressiva leva em consideração apenas o tempo de aplicação.

Espero ter ajudado.

Até a próxima quinta.

 

Previdência Privada: taxa de carregamento

taxa de carregamento

Quando você contrata um plano de Previdência, além de você escolher o tipo do plano, comparar a taxa de administração e escolher a tributação, você precisa também avaliar a taxa de carregamento.

Na maioria dos planos é cobrada a taxa de carregamento.

Essa taxa é cobrada sobre cada aplicação que você faz, ou seja, se você contratar um plano aplicando incialmente R$2.000,00 e contribuir mensalmente com R$100,00, a taxa de carregamento será cobrada sobre os R$ 2.000,00 e depois será cobrado em todas as contribuições mensais de R$ 100,00. Vamos continuar nesse exemplo e vamos supor que a taxa de carregamento que é cobrado no plano que você contratou é de 3,5%, logo quando você aplicar esses R$2.000,00 iniciais, será deduzido R$ 70,00 de taxa de carregamento e apenas o valor de R$1.930,00 irá para o seu plano de Previdência. O mesmo ocorrerá com as contribuições mensais, do valor de R$100,00 será deduzido R$3,50 e irá todo mês para o seu plano o valor de R$ 96,50.

Antes de contratar um plano verifique as condições da taxa de carregamento. Existem planos que a taxa começa com um percentual e vai diminuindo conforme aumenta o valor que você aplica ou o valor acumulado do seu plano.

Quanto menor a taxa de carregamento melhor para você.

Por isso é importante lembrar que ao fazer uma aplicação em um Plano de Previdência que possui a taxa de carregamento, o objetivo desse recurso deve ser de longo prazo. Se você resgatar no curto prazo, pode receber menos do que aplicou, isso ocorre por não ter tido tempo de recuperar o que pagou de carregamento com o rendimento do seu plano.

Em alguns bancos e seguradoras dependendo do valor que será aplicado, você pode negociar uma taxa de carregamento menor ou até conseguir uma isenção. Eu sugiro que você tente sempre negociar essa taxa, como eu já disse quanto menor, melhor para você.

Espero ter ajudado.

Até a próxima.

 

Previdência Privada: planos abertos

plano aberto Quando você vai até um banco ou seguradora contratar um plano de previdência você tem a opção de contratar um VGBL (Vida gerador de beneficio livre) ou um PGBL (Plano gerador de beneficio livre).

É muito importante entender a diferença desses planos e como funciona a sua tributação, antes de escolher um.

Vale lembrar que além de entender como funcionam e ter que escolher entre o VGBL e o PGBL, você ainda deverá escolher em qual fundo deseja aplicar.

Assim como nos fundos de investimentos, os planos de previdência investem em fundos de diversas classes, logo você tem a opção de investir em fundos de renda fixa, multimercados, ações… Esses fundos também possuem taxa de administração, então é importante fazer um comparativo entre os bancos e seguradoras.

A taxa de administração, quanto menor, melhor para o investidor. Essa taxa é anual e é provisionada diariamente.

No próximo post vamos continuar com Previdência.

Até a próxima quinta.

Entenda o que é a Previdência Privada

Entenda o que é a Previdência Privada

A Previdência Privada é um plano para acumular recursos com intuito de aposentadoria, esse plano não possui vinculo ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Você pode contratar um plano de Previdência Privada em algum Banco ou seguradora.

A ideia principal da Previdência Privada é agir como um plano de aposentaria, ou seja, a pessoa fará contribuições  mensais  e o montante acumulado será transformado em aposentadoria.

O contribuinte irá decidir o valor que pagará por mês e com quantos anos ele pretende se aposentar. Na data escolhida para aposentadoria o contribuinte irá receber os créditos mensalmente. Vale lembrar que o contribuinte pode ao longo dos anos fazer aportes (aplicações) extras a fim de aumentar ainda mais o valor do fundo acumulado.

Quanto mais o contribuinte aplicar no seu plano de Previdência Privada maior será o montante acumulado e então maior será a sua aposentadoria.

Para as pessoas que já contribuem com a Previdência Social nada muda, a Previdência Privada funcionará com uma Previdência Complementar.

Uma das vantagens nos planos de Previdência Privada é que o contribuinte pode interromper as contribuições se tiver algum problema financeiro por exemplo e depois pode voltar a contribuir sem burocracia, o contribuinte sempre terá o saldo acumulado aplicado em um fundo.

Caso queira, o contribuinte pode também resgatar o valor que acumulou no plano de Previdência Privada antes da data de aposentadoria, só precisará verificar a carência para resgate do plano que contribui.

Existem algumas coisas que o contribuinte precisa se atentar ao contratar um plano de Previdência Privada, inclusive precisa conhecer os tipos de planos para escolher o que atenderá melhor as suas necessidades.

Por hoje é só continuaremos com esse assunto na próxima quinta.

Bom feriado.